Notícias

Copergás interliga primeiro condomínio residencial do interior

O gás natural para residências chegou ao interior pernambucano.  O primeiro cliente é o condomínio Parque Caminho das Baraúnas, localizado em Caruaru, com 208 apartamentos.  O empreendimento, que acabou de ter suas obras concluídas, foi construído pela MRV Engenharia.  O condomínio está localizado no bairro de Indianópolis, próximo ao Shopping Caruaru, ao Senac e à Rádio Cultura. A interligação tornou-se possível a partir das obras de ampliação da rede de gás natural no município.

Dos 36 prédios interligados pela Copergás em 2022, o Caminho das Baraúnas é o segundo maior em número de domicílios. O primeiro é o Residencial Paulista, com 464 apartamentos, em Paulista (Região Metropolitana do Recife).

A estimativa da companhia é ampliar a clientela residencial no interior, com a expansão em Caruaru e os projetos de Rede Local em execução em Petrolina (no Sertão do São Francisco) e em Garanhuns (Agreste Meridional). O segmento residencial está em expansão e é, para o mercado de gás natural, um dos setores com grande potencial de crescimento, explicou o diretor técnico-comercial da Copergás, Fabrício Bomtempo. “Nossa meta para os próximos cinco anos é dobrar o número de clientes residenciais”, disse ele.

Em 2021, a GCRC (Gerência de Comercialização Residencial e Comercial) contabilizou 8.814 novos clientes residenciais, um crescimento de 17% em comparação com 2020. Hoje, são 62.219 domicílios abastecidos pela Copergás, distribuídos em 1.102 condomínios. Levando-se em conta a média do IBGE, de 3 moradores por domicílio, Pernambuco tem cerca de 190 mil pessoas utilizando o gás natural para fins domésticos.

Diferentemente do GLP (o chamado “gás de botijão”), o gás natural chega aos prédios via tubulação. Como não usa botijão nem cilindro, o GN dispensa armazenamento, o que libera mais espaço nas cozinhas e áreas de serviço, e garante mais segurança para os moradores. Além disso, o seu abastecimento é contínuo – não tem risco de “acabar” e precisar ser substituído, como ocorre com os botijões, por exemplo – e o pagamento só é feito após o consumo.

Pular para o conteúdo